30-MÉDICO ARMADO
MÉDICO ARMADO A Câmara dos Deputados acaba de aprovar uma matéria que pretende dar aos médicos peritos do INSS o chamado porte de arma. Lastimável a conjuntura social do País que estimula ao médico a tentação de ir para o consultório prevenido com uma arma de fogo na cintura. Chega a ser risível imaginar os médicos em posição de tiro exercitando sua pontaria no atendimento no ambiente de trabalho. Os médicos repudiam a medida política que deseja assim deixar ao próprio ´médico a responsabilidade de sua defesa diante de evemtual agressão por parte de associados insatisfeitos. Não é da postura do médico ofender a integridade física de seus doentes ou seus atendidos, ao contrário, seu perfil psicológico quadra mais com a conservação da inteireza de quem dele se acerca. A proteção dos médicos peritos precisa ser efetivamente realizada por seguranças oficiais, pessoas especializadas nas lides violentas; as características dos seguranças pessoais ou patrimoniais são adequadas ao uso dos músculos e da arma enquanto que a formação médica nada inclui de violento, de desforço físico, de agressão nem de tiros de arma de fogo. A legítima defesa é legal mas, no caso dos médicos peritos, ela deve ser executada por terceiros, pessoas treinadas para êste mistér e poderiam ser bem padas pelo próprio INSS. Wilson Ayres Côrtes médico psiquiatra CRM-SP 7629 cortesdi@ig.com.br
Voltar