23-SEMANA SANTA
SEMANA SANTA A Semana Santa é também chamada de A Grande Semana ou Semana Maior e é formada dos Santos Dias. Històricamente, se incluem o Domingo de Ramos e o Domingo de Páscoa na Semana Santa, portanto, uma semana de domingo a domingo. No domingo de Ramos se faz alusão à lembrança das palmas usadas na entrada de Jesus em Jerusalem, fazendo parte de uma entusiástica recepção popular. Da Segunda-Feira à Quarta-Feira, vivemos em clima de discreto recolhimento espiritual para, na Qinta-Feira Santa, entrarmos na prática da análise da Paixão de Cristo. A Sexta-Feira Santa, primeiro dia do Tríduo Pascal, é delineada pela morte de Cristo no calvário, pregado na cruz. No segundo dia do Tríduo Pascal, o Sábado Santo ou Sábado de Aleluia, é quando se medita em profundidade sôbre os mistérios da Paixão e Morte do Senhor, alimentando-se aguda expectativa na esperança da Sua Ressurreição. O Domingo de Páscoa é o Dia da Ressurreição, é o momento mágico da Grande Transformação, da Vitória da Vida Sôbre a Morte; é o Dia do Nascimento da Eterna Doutrina da Salvação. Essa apoteose encerra o Tríduo Pascal, a Páscoa, que quer dizer, nascimento e renascimento, vida e esperança. O ovo de páscoa, hoje de uso generalizado, é parte da simbologia do nascimento, do renascimento, da transformação e da vida. A Semana Santa é o tempo da reflexão, quando os fiéis cumprem rituais de cálida emoção, meditando sôbre a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Cristo. A resignação diante do sofrimento no percurso da via-crúcis revela a humildade como a mais apreciada qualidade aos olhos de Deus. Em Salvador, BA, no ano passado (15/04/2006), o Cardeal Dom Geraldo Majella explicou, em sua homilia: "É a humildade que nos faz especiais. E foi Jesus Cristo que nos deu a lição.". Antigamente, o Tempo Santo era marcado por atitudes de rigoroso recolhimento, com vestes pretas e abstenção de carne. Hoje existe muita liberalidade de comportamento podendo-se levar uma vida normal, apenas guardando os preceitos e o respeito aos cerimoniais e discrição de conduta, com certo grau de atitude introvertida para se maravilhar com o mistério da transmutação. Na cruz, símbolo da conformação perante o sacrifício, era I.N.R.I. (Jesus Nazareno, Rei dos Judeus) transmudado depois em Deus do Tempo e do Universo. Jesus é de todo lugar por todo o sempre. A Semana Santa não pode se comprometer com o luto, ao contrário, é tempo de alegria e de júbilo por celebrar, a cada ano, a felicidade de ter recebido do Alto, a inspiração da fé, da esperança e da caridade. Wilson Ayres Côrtes Médico Psiquiatra CRM - SP 7629 cortesdi@ig.com.br
Voltar