15-ANOREXIA
ANOREXIA Antoine Porot (1982)definiu anorexia como uma síndrome (conjunto de sintomas) constituída de inapetência (falta de vontade de comer e de beber líquidos alimentares), emagrecimento (consequente à falta da ingestão de alimentos) e falha menstrual(por alteração sanguínea e hormonal). A anorexia se origina de uma reação pessoal a situações particulares mal definidas; é possível induzir psicológicamente a anorexia e, então, vemos esse poder ser usado por parte de certas pessoas, para atender a objetivos específicos, enveredando, nesse caso, pela rota da abstenção proposital de nutrientes, do jejum habitual e até da ingestão de alimento com a provocação, em seguida, do vômito e devolução daquilo que foi ingerido. Essa atitude leva a problemas metabólicos inclusive no cérebro e porisso mesmo produz uma alteração psíquica mais severa no setor patológico do tipo neurose ou psicose. Na neurose ocorre quadro obsessivo-compulsivo em que a mente da pessoa fica dominada pela fixidez do objetivo: só fala em dieta, mantém-se atualizada em questões de nutrição e sua relação com os outros se torna desagradável pela monotonia do pensamento viscoso, grudento e desenxabido. Na psicose o que se vê é um aprofundamento da alteração psicossocial (relação consigo mesmo e com os outros). A pessoa passa a viver diante do espelho descobrindo gordurinhas aqui e alí, imaginando que o corpo está horrível e que vem fracassando no cumprimento do programa de atingir o padrão de beleza predeterminado. Na evolução psicótica, ocorrem depressão acentuada, isolamento (autismo) e a paciente deixa de se comunicar com os circunstantes (mutismo, em que a pessoa não fala com ninguém). A passarela. O desfile. Os maneirismos. A marcha afetada. O sucesso, enfim! Para a modelo, esse mundo encantado cobra tributos muitas vezes fatal; Ana Carolina se foi precocemente aos 21 anos de idade, com altura de 1,74 e 43 quilos de ilusão. É assim: quando a manequim não morre, suporta o regime da "pele e osso" para que rebrilhe a estética da moda que logo se esvai, como coisa passageira, pelo ralo da transitoriedade. A indústria e o comércio de beleza se beneficiam com a dieta do "comer nada" para conseguir nos palcos do modismo, eretas penas andantes robotizadas pelo automatismo de estudados trejeitos. A anorexia adquire no mundo contemporâneo contornos sociológicos particulares em que a sociedade escraviza a alma feminina com a ditadura da magrelice. Depois de tranformada em esqueleto ambulante a jovem passa a aceitar a compulsão de não se alimentar fazendo do seu corpo uma carcaça de células ôcas e uma cabeça de idéias obsessivas. Na Espanha, ao revés do pensamento dominante no mundo, a sociedade revolucionou os desfiles exigindo que o senso comum prevalecesse e exigiu que, pelo menos, haja normal proporcionalidade ente a altura, idade e peso. Aleluia! Começa a predominar o bom juízo; o que se exige é, simplesmente, que não se torne regra geral aquilo que é absurdo. Wilson Ayres Côrtes médico psiquiatra CRM-SP 7629 cortesdi@ig.com.br
Voltar