12-EMOÇÕES RESGATADAS
EMOÇÕES RESGATADAS Ela tem cabelos pintados que disfarçam a idade e rejuvenescem a aparência. Êle, de cabeça branquinha, não esconde os 70 anos que as marcas do rosto confirmam. Ambos trazem, na sua história, linhas sombrias de atribulações e agruras perpassadas, de vez em quando, por mal saboreadas alegrias que, vez por outra, pincelaram a tela de suas existências. Celebra-se hoje, em silêncio, a vitória sôbre a guerra da vida. A paz se instalou no coração tantas vezes maltratado pelos desencontros e pelos desacêrtos de amores fracassados. O alternativo fim de velhos romances e reinício de novos casos deram sempre em final conturbado e desesperançoso. Agora, que o passar do tempo amainou a fogueira das paixões e dos impulsos irracionais, a experiência adquirida ao longo do tumultuado viver, instalou a sabedoria simples do equilíbrio da alma. Vigoram hoje as lições de vida criando clima de serenidade que nos leva a usufruir, minuto a minuto, plenamente, todo o tempo com que a vida nos brinda. Êle, de cabeça branca; ela, cabelos pintados, se encontraram ao som de românticos boleros nos salões onde a arte da dança pereniza a feliz união. Quebrou-se o silêncio da fria distância com a melodia poética do rosto colado. Plácidas faces revelam a quietude da felicidade infinita. Os corações, antes vazios, resgatam agora as esperanças perdidas. A vida reassume o colorido das ilusões juvenis que se afogaram no vórtice do tempo que passou. Agora é aqui a hora de saborear o manjar paradisíaco que se refunde na mágica espiral da existência. Isto acontece aos que não renunciaram à vida e mantêm no pensamento e atitudes a certeza de que o porvir é hoje e de que existir é sempre agora. Wilson Ayres Côrtes médico psiquiatra CRM-SP 7629 cortesdi@ig.com.br
Voltar