11-ANO NOVO VIDA NOVA
Ano novo, vida nova; essa expressão é muito antiga e traz no seu bojo não tanto uma esperança mas sim, um compromisso. Os nossos mais velhos repetiam esse refrão no finalzinho de cada ano nos inculcando o dever de fazer algo em falta ou faze-lo melhor. Para quem estava com algum tipo de débito moral, quem tivesse sido reprovado nos exames escolares, para quem estivesse incorrendo em algum erro, esse mote - ano novo, vida nova - representava uma repreensão reiterada ou uma cobrança atualizada; não era uma simples citação filosófica, mas sim, um castigo moral. Hoje os usos e costumes, com a flexibilização mental dos adultos, abrandaram o modo de apreciar as falhas alheias e até as próprias. Por isso, o estribilho vem perdendo aquele tom crítico e ameaçador. Ano novo, vida nova significa hoje um esboço de esperança porém sem aquela força de convicção; a frase tem algo de repetição, de imposição social (estereótipo): a impressão que se tem é de que é feio ser pessimista e, para atender às expectativas sociais, nos impomos uma atitude otimista, mesmo não tendo a sensação de que o ano vai mesmo ser bom. As pesquisas populares mostram pessoas dando respostas esperançosas sem confiança plena; outras chegam a dizer que o novo ano tem que ser melhor que o ano anterior. Na verdade, não cabe nem otimismo nem pessimismo nessa matéria. Além do pressentimento pessoal, fica muito mais realista a análise objetiva dos fatos, para poder opinar com um pouco mais de segurança A história do mundo tem revelado progressos de ano para ano; antes, a Liga das Nações e agora a ONU e certas ONGs específicas têm freado o instinto de morte dos povos, reduzindo as guerras. Alguns conflitos bélicos ainda existentes são representação de minorias resistentes ao desenvolvimento mundial; a tecnologia, a ciência em geral, a medicina, a melhoria na educação do povo, tudo vem contribuindo para uma melhoria de vida, que hoje já está melhor do que ôntem. O ano de 2006 tem sido melhor que os anteriores e o bebezinho 2007 vai emplacar uma indústria mais forte, um comércio mais incrementado e um maior desempenho da consciência popular; a cooperação, a solidariedade e a caridade serão elementos de salvação social. Agradeça o que 2006 lhe deu de bom e comprove na oportunidade o quanto de bom você estará recebendo certamente em 2007, em virtude de sua dedicação ao trabalho e pelo estudo; o dever cumprido será premiado com os louros da vitória. Uma atitude otimista, mesmo sem ter a sensação de que o ano vai ser mesmo bom. Wilson Ayres Côrtes médico psiquiatra CRM-SP 7629 cortesdi@ig.com.br
Voltar