05-A FORÇA DA AMIZADE
A FORÇA DA AMIZADE Caim matou Abel. Por isso é que se diz que parente não é obrigatoriamen- te família nem irmão é necessariamente amigo. Amigo é aquele que, ao invés de matar, ajuda a sobreviver no cotidiano duro da acelerada sociedade de hoje. De sua família é aquele que se envaidece com os seus sucessos e que se solidariza com você no seu fracasso, que está pronto a ouvi-lo e dizer aquelas valiosas palavras de estímulo que elevam seu astral na hora da tristeza, que forma com você uma base de apoio moral, que colabora com você para encontrar uma boa saída. Um amigo não é um familiar qualquer e sim, é aquele que, sendo do seu sangue, ou não, se apresenta solidário, cooperativo e compreensivo na hora da dor, do desespero, da dúvida, da perda, do luto. É nessa hora que se valoriza a amizade, é quando se está sobrando na fúria do mar e aí chega a mão salvadora do amigo e o preserva dos perigos da adversidade. É na hora do vamos ver que se descobrem as vantagens da amizade e as virtudes dos amigos. A solidariedade é um elemento básico da defesa do clã, do grupo, da sociedade; sem ela, os agrupamentos sociais morrem por inanição; é o ombro amigo que salva, na soma coletiva, toda a sociedade; o inverso disso leva às guerras e à destruição do gênero humano A defesa do social está nas mãos dos amigos, são os nossos corações tocados pelo sentimento da amizade que livram o mundo do perigo da obscuridade do nada. O mar é feito de pingos d'agua; pequenos atos de partilha de sentimentos e de ajuda mútua entre amigos, são fatos silenciosos, perdidos na reserva do ambiente privado, selados pelo anonimato mas com a força suficiente para produzir a confraternização universal. Aprenda a dizer na medida da necessidade: "eu preciso de ti"; "fala que estou te ouvindo"; "muito obrigado, meu amigo". Nestas frases está a solução de metade dos problemas do mundo. Wilson Ayres Côrtes médico psiquiatra CRM-SP 7629 cortesdi@ig.com.br
Voltar