116- DOMINAR A MENTE


Dominar a mente é um exercício no sentido de harmonizar nosso afeto com nossa cognição e com nossa conação (ação). Quando se procura dominar a mente pretende-se aplicar mais uma ferramenta na construção de uma postura razoável perante a vida (pragmatismo) -Acertamos quando lançamos a hipótese de que a mente é, na verdade, dominada pelos neurotransmissores numa atividade fisiológica independente de nossa vontade (voluntarismo).

A tentativa de domínio da mente passa, assim, a ser uma mera colaboração que damos aos mecanismos que buscam o equilíbrio do indivíduo em si e em relação com sua ambiência (pessoas, coisas, emprego, projetos); esse equilíbrio chama-se homeostase..

A fisiologia fala da nossa necessidade básica de 8 horas de bom sono, 8 horas de trabalho (não extenuante) e 8 horas de lazer (sadio).

O descumprimento dessa pretensão da natureza vai produzir doença

(transtorno bipolar, transtorno esquizoafetivo, depressão maior, depressão recorrente, burnout, neurastenia).

O prazer de viver está no gosto de fazer aquilo que nos apetece, aproveitando cada nesguinha de acontecimento na medida em que essa nesguinha seja aproveitável no que nos interessa; é preciso saborear o trivial; dificilmente teríamos uma oportunidade de grandes lances épicos; nesse caso, precisamos valorizar, engrandecer e colorir as pequenas chances que a vida nos oferece, por exemplo, o amor mútuo com uma mulher constante ou o saborear de um doce de leite ou a refrescância deliciosa de um sorvete de chocolate, côco e baunilha.

Wilson Ayres Côrtes

CRM-SP 7629

cortesdi@ig.com.br


Voltar