101-TABAGISMO EM FAMÍLIA

 

 

Fuma? perguntou o médico à cliente. Não, foi a resposta, ajuntando a seguir: meu marido, sim; fuma demais! Retrucou o clínico, então: a senhora fuma demais... Ela ficou espantada e, porisso, lhe foi explicado que o marido é fumante ativo (põe o cigarro à boca) e ela, esposa, é fumante passiva.

 

A Secretaria da Saúde do Estado (São Paulo), em recente estudo, comprovou que os conviventes  não fumavam mas eram intoxicados pela fumaça do cigarro igualmente à intoxicação dos que punham o cigarro à boca.

 

Os fumante sofrem as consequências danosas do tabagismo e impõe aos parentes e amigos da casa o mesmo grau de envenenamento do organismo.

 

A diretora do Cratod ( Centro de Referência em Álccol, Tabaco e outras Drogas), Luizemir Lago, esclarece que ficou comprovado que os fumantes passivos também estão expostos aos mesmos riscos de quem é usúario de cigarros.

 

Diga a seu esposo, namorado ou amigo tabagistas que a partir de agora, parem de fumar ou fumem lá fora!...

 

Wilson AYres Côrtes

médico psiquiatra

  CRM-SP 7629

cortesdi@ig.com.com.br


Voltar