96-RESPIRAÇÃO BOCA-A-BOCA
  RESPIRAÇÃO BOCA-A-BOCA
 
Indicava-se a respiração boca-a-boca para restaurar a atividade cardiopulmonar nos casos de colapso funcional do indivíduo. 
Bem antes desses atuais tempos modernos, usava-se fazer compressões firmes, ritmadas e continuadas até a chegada de socorro especializado. 
Com a novidade da respiração boca-a-boca, esqueceu-se das compressões e passou-se à opção da modernice. 
Muita gente andava desconfiada da eficácia desse procedimento considerado, até então, um primor. De fato, o que acontece é que estudos atualíssimos constatarem que a respiração boca-a-boca reduz as chances de sobrevivência; quer dizer, o processo, além de deficiente, é maléfico. 
As novas diretrizes da Aliança Internacional dos Comitês de Ressuscitação excluem de seus ordenamentos a respiração boca-a-boca e elegem a forma
antiga de compressão do peito para fazer ressurgir a vida. Basta comprimir
o tórax com a mão 4 centímetros abaixo de uma linha imaginária ligando os
mamilos. 
Já se manifestaram a favor das novas diretrizes o Incor-SP e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (A.B.C.).
 Wilson Ayres Côrtes
Médico psiquiatra
CRM-SP 7629
 
Bas
 
                                                   

Voltar