63-ACEITA UM CAFEZINHO
ACEITA UM CAFEZINHO Acordamos mas continuamos meio preguiçosos. O trabalho nos espera porém o corpo não está assim tão disposto. É aí que o cafèzinho vai bem! Ou, então, aquele belo café-com-leite e o delicioso pão-com-manteiga. Pronto! Agora estamos acesos e em boas condições para o desempenho de nossas obrigações. É o café, é essa bebida que estimula a gente à atividade, à alegria e à produtividade. De fato, o café desinibe, facilita qualquer conversação, dá aquele necessário ânimo para o trabalho e até nos tranquiliza. Da mesma forma que com outros bens desfrutáveis, o café não pode ser tomado com exagero, sob pena de causar alterações no humor e no comportamento. O café faz mal quando o nível de cafeina atinge pontos elevados dentro do organismo. A cafeina contida no café é estimulante saudável que se torna gerador de doença quando se toma a mais do limite. Estudo feito na Universidade Federal do Rio de Janeiro verificou que o excesso de cafeina desencadeia ansiedade e facilita o transtorno do pânico (síndrome do Pânico). Sob a orientação do Professor Antônio Egídio Nardi da Faculdade de Medicina da UFRJ, o trabalho resultante da pesquisa foi publicado na revista americana Comprehensive Psychiatry. Essa comunicação afirma que 480 miligramas de cafeina, que são equivalentes a 5 xícaras de café expresso, podem despertar a ansiedade e o pânico em pessoas propensas. A crise de pânico é configurada por um quadro constante de dor no peito, angústia, ansiedade, palpitações cardíacas, dificuldade de respirar, suores, tremores, pavor e sensação de morte iminente. A síndrome do pânico causa sofrimento psíquico e moral e pode ser prevenida com medidas de higiene mental pelo balanceamento equilibrado de trabalho, lazer e repouso. Uma das medidas preventivas é o uso apenas parcimonioso do café; usar mas não abusar. Quando você receber sua próxima visita, proponha, como sempre: "aceita um cafèzinho?" mas não repita a dose. Wilson Ayres Côrtes médico psiquiatra CRM-SP 7629
Voltar